Ministro do TSE diz que leis já trazem regras para coibir 'fake news' nas eleições

postado 09/05/2018 por

Em debate na Câmara, Horbach afirmou que tribunal atua com cuidado de evitar censura; Unesco considera educação para mídia essencial

 

O ministro do Tribunal Superior Eleitoral Carlos Horbach disse, nesta terça-feira (9), que a legislação penal e eleitoral já traz uma série de regras que permitem punir a divulgação no debate eleitoral de notícias falsas, as chamadas fake news. Segundo ele, o TSE já atuou nesse sentido nas últimas eleições, aplicando multas e determinando a retirada de informações. 

Porém, Horback observou que a jurisdição do tribunal não alcança os provedores localizados fora do País. E ressaltou que o TSE atua com muito cuidado e parcimônia para não comprometer a defesa da liberdade de expressão e evitar censura. “Não podemos aceitar o discurso de taxar toda e qualquer notícia desfavorável como fake news, buscando blindar um personagem”, afirmou.
 
Horback participou da 12ª Conferência Legislativa sobre Liberdade de Expressão, que teve como tema "A importância da educação midiática na formação da cidadania e no combate às notícias falsas". O evento foi promovido pela Câmara dos Deputados em conjunto com o Instituto Palavra Aberta, formado por entidades como a Associação Nacional de Jornais (ANJ) e a Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert).
 
Segundo o ministro, a resolução do TSE (23.551/17) sobre propaganda eleitoral já veda a divulgação de informação que seja sabidamente inverídica. Mesmo assim, vários projetos em tramitação na Câmara pretendem estabelecer uma punição específica para quem divulgar notícias falsas pela internet. É o caso do PL 6812/17, do deputado Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR), que torna crime a divulgação ou compartilhamento de notícia falsa ou “prejudicialmente incompleta” na internet.
 
Educação midiática
 
A presidente do Instituto Palavra Aberta, Patrícia Blanco, defende que o País tenha política pública de formação de crianças e adolescentes para interpretar os conteúdos do meio digital, e se defender deles, quando forem danosos. Segundo ela, diversos países do mundo, como Estados Unidos e países da União Europeia, discutem o tema. O instituto vem articulando a inclusão da educação midiática na Base Nacional Comum Curricular.
 
Ex-ministro da Educação no governo Michel Temer, o deputado Mendonça Filho (DEM-PE) disse que o tema é abordado de forma indireta na Base Nacional Comum Curricular, tanto do ensino fundamental (em fase de implementação) quanto do ensino médio (em análise no Conselho Nacional de Educação). "A base incorpora os princípios da linguagem de processamento de dados e linguagem computacional para que as crianças e jovens se preparem para essa nova realidade, aprendendo, além da educação formal, a alfabetização também no mundo digital", apontou.
 
Alfabetização
 
Questionado durante o debate, o deputado admitiu, entretanto, que o nível de informatização das escolas ainda é muito baixo. Mendonça Filho avalia ainda que o Brasil precisa corrigir o próprio processo de alfabetização, já que mais da metade dos estudantes do 3º ano do ensino fundamental apresentam nível insuficiente de leitura, ou seja, dificuldade em interpretar um texto.
 
Já Éktor Passini, diretor de Programas do Ministério da Educação, informou que a Base Nacional Comum inclui, como uma das competências que deve ser desenvolvida em todas as séries do ensino fundamental, “compreender, utilizar e criar tecnologias digitais de informação e comunicação de forma crítica, significativa, reflexiva e ética”.
 
Problema para democracia
 
A representante da Unesco no Brasil, Marlova Noleto, disse que o órgão das Nações Unidas apoia que os países desenvolvam estratégias de alfabetização midiática e informacional. Ele ressaltou que notícias falsas, reproduzidas pela população sem análise e sem fontes, comprometem a liberdade de expressão e a democracia.
 
O secretário de Comunicação da Presidência da República, Márcio de Freitas, também considera as fake news um problema para a democracia. Ele afirmou que é necessário que haja informação qualificada nas eleições e que a formação dos alunos é essencial, para que os cidadãos saibam julgar as informações disseminadas.
 
Já o ministro Wagner Rosário, do Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU), destacou que a CGU pretende incorporar o tema da educação midiática em material didático produzido pelo órgão para alunos do sexto ao nono ano do ensino fundamental.
 
Quarta-feira, 9 de maio de 2018
Fonte: Agência Câmara

SHIS QI 9 Conjunto 11 CS 20 - Lago Sul CEP:71625-110
Brasília - DF
 

Telefones: (61) 3345.0882 / 3346.9481 / 3346.7235 / 3345.1123  
Email: apcf@apcf.org.br