Coaf pede revisão de mudanças colocadas em consulta pública

Coaf pede revisão de mudanças colocadas em consulta pública

Após repercussão da opinião da Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais (APCF), de outros integrantes da Polícia Federal e do Ministério Público, o presidente do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf ), Roberto Leonel, anunciou que pedirá que o Banco Central (BC) considere a reinclusão dos parentes de políticos no monitoramento das instituições financeiras. A decisão do Coaf ganhou ampla repercussão na mídia nacional nesta 4ª feira (30/1).

Assim que as propostas do BC entraram em consulta pública, em 24 de janeiro, o presidente da APCF, Marcos Camargo, divulgou nota oficial da entidade afirmando que a flexibilização do controle financeiro é um retrocesso. “É muito frequente o uso dessas pessoas para dissimular a identidade do real beneficiário das irregularidades ou crimes”, afirmou Marcos Camargo, em nota.

Leonel disse aos jornalistas que não foi consultado pelo Banco Central para a elaboração das propostas, mas que, com a repercussão negativa da possibilidade de mudança, é provável que o órgão volte atrás. O Ministro da Justiça, Sérgio Moro, pasta da qual o Coaf é integrante, criou um grupo de trabalho, nesta 3ª-feira (29), pra examinar a questão e formular sugestões ao BC.